CHINA SUSPENDE A IMPORTAÇÃO DE CARNES

19 de junho de 2020

Tags:pecuaria

Diversos municípios chineses, por sua vez, determinaram a suspensão da importação e comercialização de carne bovina e pescados por conta do COVID-19!

A China reforçou as inspeções de carnes importadas nesta semana, depois de um novo surto de infecções pelo coronavírus ser relacionado ao enorme mercado atacadista de Xinfadi, em Pequim.

A suspensão das importações provenientes da unidade alemã pode indicar um risco para outros exportadores, incluindo grandes fornecedores da China, como Brasil e Estados Unidos, onde houve registros de surtos da Covid-19 entre trabalhadores de frigoríficos.

“Agora isso parece ser um fator real de risco para os EUA, Brasil ou outros exportadores. Evitar a reincidência da Covid-19 tem prioridade sobre o controle da inflação da carne”, disse Darin Friedrichs, analista sênior da INTL FCStone, em nota.

Entretanto, segundo comunicado do Embaixador do Brasil em Pequim, a situação é um pouco mais alarmante para o mercado de carnes do Brasil. Segundo ofício endereçado ao MAPA, o embaixador fala que diversos municípios preferiram suspender a importação e comercialização da carne importada, ao lado que a recomendação era o teste para COVID-19.

Em outro trecho do comunicado, ele informa sobre a preocupação de algumas indústrias brasileiras que estão habilitadas a exportação. “Segundo empresários brasileiros, grandes empresas importadoras foram orientadas por autoridades governamentais a realizar testes de ácido nucleico em amostras de carnes importadas, durante o processo de desembaraço aduaneiro. Devido aos custos e incertezas, alguns importadores suspenderam as compras e solicitaram que cargas já contratadas não sejam embarcadas”, ressalta o embaixador no comunicado.

Segundo a China, ela pode impor restrições a qualquer momento, visando combater de forma mais firme uma possível nova onda de contaminação pelo coronavírus. “A depender dos resultados da investigação sobre a origem da contaminação no mercado de alimentos de Pequim, as autoridades chinesas poderão, eventualmente, impor restrições à
importação de produtos cárneos brasileiros e/ou solicitar maiores informações sobre as medidas preventivas adotadas pelos frigoríficos para evitar a contaminação dos alimentos a serem exportados.

Momento é de alerta para os pecuaristas que aguardam uma nova onda altista para vender o gado para abate, diante do cenário de restrições e pandemia, as incertezas tomam conta das negociações.

Confira a integra do documento:

ofício-164331-153418

Vale ressaltar neste momento, que o Brasil é extremamente dependente do mercado chinês para sustentação das cotações do preço da arroba nos atuais patamares, tendo em vista o menor consumo interno imposto pela crise do coronavírus. (Compre Rural)